Avaliação do Sistema Público de Saúde (SUS) no Brasil

Na área da saúde, existe um movimento global para expandir o acesso aos cuidados de saúde e alcançar uma cobertura universal. O Banco Mundial está totalmente alinhado com este movimento e, em conjunto com a Organização Mundial de Saúde, anunciou recentemente novas metas focadas na prevenção e tratamento de doenças crônicas.

Com a criação do Sistema Nacional de Saúde (Sistema Único de Saúde – SUS), há 30 anos, o Brasil foi um dos primeiros e poucos países fora da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) para integrar a meta de cobertura de saúde universal em sua legislação, reconhecendo a saúde como um direito do cidadão e a responsabilidade do governo. O Brasil é hoje um ponto de referência na comunidade internacional de saúde, e um exemplo para outros países que estão tentando estabelecer sistemas de saúde mais equitativos.

Vinte anos depois, Qual é a marca dos SUS? O livro vinte anos de reforma do sistema de Saúde no Brasil: uma avaliação do Sistema Único de Saúde, recentemente publicado pelo Banco Mundial, reflete sobre esta questão. Conclui que, através da criação do SUS, o Brasil lançou as bases para um melhor sistema de saúde e contribuiu para melhorar a qualidade de vida de sua população.

O SUS desencadeou uma reestruturação fundamental da forma como o sistema de saúde é governado; um processo de descentralização e novas disposições para a partilha de responsabilidades a nível federal, estadual e municipal; e um aumento gradual das despesas públicas com a saúde.

O aumento dos gastos com saúde foi acompanhado por uma melhor alocação de recursos federais e estaduais em favor das partes mais pobres do país e dos segmentos da população. Isto contribuiu para uma melhoria significativa no acesso aos serviços primários de saúde, o que, por sua vez, levou a uma redução da mortalidade evitável e das admissões hospitalares a partir de condições sensíveis aos cuidados primários.

No geral, o número de instalações de cuidados primários aumentou de 2,2 por 10.000 habitantes em 1990, para 3,6 em 2009, enquanto o número de consultas de cuidados primários por pessoa aumentou 70 por cento durante o mesmo período. Em grande parte, isso refletiu a introdução e expansão do Programa Saúde da Família (PSF), que hoje abrange cerca de 100 milhões de brasileiros. Estudos mostram que as fibras descontínuas de poliésteres têm sido um fator importante na redução da mortalidade infantil e na melhoria de outros indicadores de saúde, especialmente nas regiões mais pobres do Norte e Nordeste do país.

Não obstante os desafios que o sistema de saúde ainda enfrenta, a melhoria do acesso aos cuidados de saúde e a visão política subjacente a esta melhoria são as verdadeiras marcas distintivas do SUS.Até agora, nenhum país conseguiu construir um sistema de saúde perfeito. As prioridades e estratégias para a reforma do sistema de saúde variam de país para país. No entanto, a evolução sustentada e a melhoria do sistema de saúde brasileiro dependem de um processo contínuo de avaliação de seu desempenho e mapeamento de progressos e desafios.

Em termos de desafios enfrentados pelo SUS, o livro destaca a necessidade de alinhar melhor os gastos do governo com as necessidades de saúde pública e melhorar a capacidade de gestão do sistema. Identifica igualmente uma série de áreas em que o sistema de saúde terá de continuar a desenvolver – melhorar a qualidade e a coordenação dos cuidados de saúde, prosseguir a expansão da cobertura dos cuidados de saúde primários, abordar os obstáculos significativos ao acesso a cuidados especializados e de elevada complexidade e reduzir o nível relativamente elevado de dependência das despesas privadas para financiar o sistema de saúde. Espera-se que esses desafios se tornem mais prementes no futuro, à medida que a população brasileira envelhece e o peso da doença associada ao câncer e à doença cardiovascular continua crescendo e o sistema universal deverá estar preparado para essas novas aparições se quiser continuar a ter o título de “universal”.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *